Durante o último ano e meio, o mundo enfrentou uma pandemia devastadora e mortal. No início deste ano, a crise climática apareceu, destruindo cidades e regiões inteiras com inundações e incêndios. Só há uma maneira de enfrentarmos essas provações – envolvendo as comunidades e enfrentando os desafios como um todo.

Para a maioria dos governos locais, o modo crise significa correr para desenvolver um plano de emergência. Minimizar os danos e manter as comunidades seguras, como medida prioritária, é fundamental. Poucos considerarão o valor – ou mesmo a opção – de estabelecer um projeto de participação de toda a comunidade como parte de sua resposta à crise.

E podemos entender o por quê. O engajamento em crises requer tempo, atenção e recursos, os quais tendem a ser escassos. Ainda assim, em tempos difíceis, envolver as comunidades é a decisão mais sábia que governos podem tomar. Vamos ver o porquê disso.

O engajamento durante crises faz com que as comunidades se sintam ouvidas

As crises tendem a causar fortes emoções. No início da pandemia, o medo varreu nossas comunidades. Nossa resiliência foi ainda mais desafiada quando a única maneira de sair desta crise provou estar em conflito com nossa necessidade inerente de proximidade e apoio. Em vez disso, disseram-nos para aderir ao oposto disso: o distanciamento físico.

COVID-19 deixou todos nós com medo do vírus. Mas também provocou altos níveis de solidão, depressão e ansiedade. Veio com aumento de desemprego e pobreza. Privou-nos de cuidados infantis, apoio familiar, tempo de lazer e uma vida social. Ao definir uma estratégia, os governos locais devem sempre avaliar como a comunidade está se sentindo. Esses sentimentos, preocupações e necessidades devem ser colocados no centro dos planos de crise locais.

Centraliza as informações e agiliza a comunicação

No despertar de uma emergência, uma comunicação clara e contínua é crucial. Os governos locais devem estabelecer canais de comunicação eficazes para manter o público informado. Essa comunicação deve ser fácil de encontrar, acessível a todos e tão centralizada quanto possível.

Uma plataforma de participação pode desempenhar um papel importante aqui. Os governos podem usar sua plataforma para compartilhar atualizações, avaliar opiniões e coletar percepções valiosas da comunidade. Além disso, como as emergências são frequentemente especuladas por rumores e notícias falsas, um centro de informações de governo pode difundir a situação com um senso de objetividade e transparência muito necessário.

Ajuda governos a explorarem a inteligência coletiva

Em tempos de crise, cientistas e especialistas sustentam a verdade. Eles fizeram a pesquisa. Eles investigaram os diferentes cenários e resultados. Eles sabem que é improvável que espalhemos a covid com 1,5 m de distância, mas provavelmente sofreremos se o aquecimento global exceder 1,5 ° C.

Mas embora os virologistas e cientistas do clima possam nos dizer o que fazer, a questão permanece em como. Cada cidade, comunidade ou conselho é radicalmente diferente. Quem tem uma compreensão melhor das necessidades e prioridades a serem atendidas do que as pessoas que vivem lá? Os membros da comunidade são especialistas por experiência, o que significa que geralmente possuem uma riqueza de ideias inovadoras sobre como melhorar a comunidade. Ao coletar suas contribuições, governos desenvolverão políticas mais fortes, enraizadas na realidade local.

Cria adesão para novas decisões políticas

O sucesso de qualquer plano de emergência depende do apoio da comunidade. Simplificando: as pessoas que não veem a si mesmas ou suas necessidades representadas no plano provavelmente não aderirão às novas regras e políticas. A única maneira de construir uma forte adesão da comunidade é envolver as pessoas desde o início.

Se a comunidade se sentir ouvida, é mais provável que apoiem a decisão final. Além do mais, ela se sentirá mais motivados para participar de futuros projetos de engajamento também. Isso ajuda governos a criar políticas relevantes e eficazes que são amplamente apoiadas e permitem mudanças tangíveis.

Engajamento em tempos de crise na prática

Esperamos que esses argumentos tenham convencido de que o engajamento na crise é indispensável. Ainda assim, você pode achar difícil imaginar a organização de um projeto desse calibre em meio ao caos. É por isso que listamos alguns exemplos práticos:

  • O bairro londrino de Newham (🇬🇧) lançou sua plataforma de participação para garantir a continuidade democrática durante e após a pandemia COVID-19. Até então, reuniam a opinião da comunidade por meio de workshops off-line, reuniões na prefeitura e pesquisas em papel. A plataforma digital ajudou a centralizar os esforços de engajamento e manter a conversa constante, mesmo em tempos de distanciamento social. Leia mais sobre os esforços de envolvimento da comunidade de Newham aqui.

Pronto para lançar um projeto de engajamento em tempos de crise?

Seja para definir uma estratégia de mudança climática local, enfrentar os temores dos desdobramentos da pandemia ou lidar com uma emergência local, o envolvimento da comunidade a(o) ajudará a lidar com isso.

Call to set up a discussion on setting up a community engagement platform